&&

sábado, 6 de julho de 2013

Os Traumas Familiares

  • Os traumas familiares são a causa da existência de um grande número de famílias disfuncionais.
  • Família Disfuncional = família que não funciona conforme o propósito de Deus. Num mundo marcado pelo pecado, as famílias estão esfaceladas, e ao estarem esfaceladas emocionalmente, criam filhos esfacelados. E a cada geração os sintomas vão se agravando... A célula mater da sociedade se tornou um lugar de guerra, discórdias, dissensões, rebeldia, separações.  Tem gerado pessoas disfuncionais, com personalidades destruídas, distorcidas, machucadas, feridas, inseguras, rebeldes, etc.
  • É muito importante reconhecer os incidentes do passado, se ocorreu de um ou vários membros da família ter nos ferido emocionalmente ou aconteceu um incidente na escola ou com nosso melhor amigo ou qualquer coisa que nos deu a sensação de insegurança, medo ou irritação. Qualquer evento do passado que nos tenha tocado profundamente atinge nossa alma vulnerável.
  • Quando somos crianças não sabemos lidar com as emoções positivamente. As pessoas que tiveram influência em nossas vidas programaram nossas mentes de uma maneira ou outra, dizendo o que fazer e como fazer. Além disso, na maioria das nossas experiências infantis as pessoas mais próximas às vezes se divertiram com a nossa cara, nos amedrontando ou nos ofendendo, nos influenciando a pensar, naquela idade, que algo estava errado conosco; nós acreditamos em tudo que diziam naquele período. A mente tem a habilidade de armazenar tudo que experimentamos naquela idade, pondo as sensações provenientes de coisas desagradáveis na caixa chamada subconsciência. Uma vez que passamos as informações desagradáveis ao subconsciente, temos a impressão, no nível consciente, que o sentimento desagradável não está mais lá. Mas nos enganamos redondamente, quando pensamos que evitar o assunto, para não lidar com o sentimento desagradável, nos ajuda. Pelo contrário, esse processo inacabado ajuda a conservar a dor que aqueles incidentes em particular causaram.
  • Quantas vezes dizemos muito rapidamente ”Não quero falar sobre isso!” quando alguém começa a falar sobre algo que atinge nossa dor emocional passada? É o mesmo que dizer “Não quero tratar da minha emoção relacionada a isso!”. Isto eventualmente vai acarretar resultados negativos se não tratarmos com o mesmo cuidado que temos com qualquer doença física. A solução para o bloqueio emocional é reconhecer a emoção e liberá-la.
  • A influência das experiências passadas pode ser irremediável caso não tomemos consciência de sua importância.
  • Maturidade emocional. 
  • Como já falamos, no momento da ferida o crescimento emocional é interrompido. O mesmo ocorre com a rejeição. Se o amor leva a um crescimento emocional adequado, a rejeição bloqueia esse crescimento, e a pessoa rejeitada permanece imatura.
  • Aqui está à causa para muitos conflitos no casamento, e, vezes sem conta, sua destruição: há um menino e uma menina que entram para um tipo de relacionamento que exige maturidade. São adultos no físico, mas, porque levam um quadro de rejeição, agem como crianças.
  • Uma menina que não teve o amor de pai, provavelmente buscará aquele amor no casamento. Um menino que não teve o amor de mãe, também poderá ser vítima do mesmo engano. Contudo, nenhum marido poderá ser pai para a esposa, e nenhuma mulher poderá ser mãe para seu marido.
  • O amor, a aceitação e a aprovação são necessários à maturidade emocional. Se isso faltou, bem podemos estar diante dos sintomas de imaturidade. O que fazer? É impossível voltar-se ao passado para um recomeço. A solução é uma cura para esse passado de rejeição, a fim de que o crescimento seja retomado


Um comentário:

  1. Pastor Valdivio Morais7 de julho de 2013 16:22

    Esses artigos tem despertado muita gente para a grande realidade dos problemas da alma humana.

    ResponderExcluir